segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Regando seu Jardim

Assim como para nós, a água desempenha um papel importantíssimo no desenvolvimento das plantas e por isso deve-se ter um cuidado especial na hora de regá-las. Existem plantas que necessitam de uma quantidade maior de água que outras, logo, se a rega não for bem planejada, a planta pode sofrer tanto pela falta quanto pelo excesso dela. Não existe uma regra geral para regarmos nossas plantas, no entanto, com algumas dicas e cuidados tudo se torna mais fácil.
O erro mais comum está relacionado com o horário da rega. Não é aconselhável aguar as plantas no período de sol forte, pois a perda de água por evaporação é bem maior nesse período e a planta não irá absorver a quantidade de água necessária para o resto do dia. O melhor horário é pela manhã, pois a planta irá passar o período de maior intensidade luminosa com o solo bem úmido e com reserva para o resto do dia. Agora que sabemos o horário, vamos observar o tipo de solo no qual nossas plantas se encontram, para daí pensar na questão quantitativa da rega.
No geral um solo com alta concentração de areia ou pedras tem uma maior drenagem e fica seco mais rapidamente, necessitando de mais água quando for regado. Já um solo com maior teor de argila e/ou matéria orgânica (folhas, cascas, serrapilheira, etc) tem um menor escoamento e permanece úmido por mais tempo, fazendo com que a rega seja menos intensa. Faça uma verificação com a mão ou algum objeto que absorva água e veja em qual desses dois tipos de solo o seu se encaixa.
O próximo passo é observar qual tipo de planta estamos aguando. De modo geral plantas de sombra têm uma menor necessidade de água, pois a perda por evaporação é bem menor do que plantas que estão expostas diretamente ao sol e se regadas com muita freqüência o excesso de água pode afogar as raízes e até causar a morte da mesma. Plantas suculentas com raízes em forma de bulbos também têm uma maior tolerância a falta d’água, pois a armazenam em folhas e raízes. Outro cuidado que se deve tomar é em relação a plantas em vasos. Quanto menor for o vaso, menor será a reserva de água, necessitando de uma freqüência bem maior de regas. De preferência, regue os menores até que a água saia pelo buraco de escoamento no fundo do vaso.
As regas de gramados devem ser feitas sempre em abundância, caso contrário, o gramado perde força e dá margem para que as ervas daninhas se desenvolvam, tornando-se uma rega maléfica. Ou seja, é melhor não regá-lo a regar insuficientemente.
Seguindo essas dicas e tomando os devidos cuidados, o seu jardim com certeza ficará bem mais saudável, bonito e resistente. Não esqueça que toda regra comporta exceções e que o principal é a sua interação com o jardim. Onde você vai adequando os regimes de regas de acordo com as necessidades de cada pedacinho dele.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Bem Vindos ao PAZagismo

Olá pessoal, sejam todos bem vindos ao mais novo espaço destinado àqueles que gostam, trabalham ou apenas admiram a arte do paisagismo e da jardinagem. Meu nome é Daniel Costa, sou formado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e, junto a isto, fiz um curso de Paisagismo e Jardinagem, com o professor Jorge Azevedo, com apoio do Centro de Biociências – CB. Desde então me interessei bastante sobre essa arte que vem crescendo, tanto em nível de Brasil, como aqui em Natal.
A idéia deste blog surgiu quando eu estava pesquisando na internet sobre plantas ornamentais, paisagismo, estilos de jardins e tudo o mais que se relaciona ao tema, e percebi que a maior parte das informações encontradas eram apenas copiadas e coladas de site para site, sem se considerar as particularidades de cada caso. Vendo o número cada vez maior de apaixonados por jardim e plantas, resolvi criar o blog PAZagismo, onde escreverei sobre o mais variados assuntos dentro desse tema.
O objetivo maior do blog é esclarecer dúvidas comuns que sempre surgem, tanto para o jardineiro, na hora de plantar a muda (preparo do solo, melhor modo de plantio, espaçamento entre mudas, etc), quanto para o paisagista quando projeta o jardim (posicionamento das plantas, luminosidade do local, interações entre as plantas, as cores do jardim, utilização de pedras, etc). Além disto, mostrarei de forma fácil e simplificada os procedimentos da jardinagem para as pessoas que gostam dessa prática, mas acham que não levam jeito, coisas tipo: como fazer, manter e renovar o seu jardim. Estou sempre me atualizando, quer seja lendo revistas, livros ou mesmo na internet, entretanto, a minha principal fonte de conhecimento é o próprio jardim.
A prática no manejo de plantas e objetos arquitetônicos no jardim ou no próprio projeto é o que faz com que se consiga um melhor entendimento de como deve funcionar o jardim. Não o deixando apenas como um ambiente bonito, mais com uma proposta ainda maior, que é a de harmonizar o ambiente e com isso dá a sensação de paz e tranqüilidade para todos os que passarem por ele.
Bom, era isso que eu queria passar nesse primeiro de muitos contatos. Queria que você fosse dá uma volta no jardim ou até mesmo observar os vasos da sua casa, apartamento, escritório ou qualquer outro canto. Dê uma olhada na beleza que a natureza nos deu e pense o quanto seria bom uma interação, tanto para o jardim como para você, com esse ambiente tão bonito e natural que às vezes a gente passa por ele sem perceber.

Projetos 3D

Projetos 3D

Paisagismo

Paisagismo

Permacultura em Casa

Permacultura em Casa
Integração dos elementos próximos a cozinha, organizado de acordo com a frequência de manutenção/visitação

Além de produzir a estante foi reutilizado no jardim.

Produção

Bananeiras recebem a água da lavanderia e são adubadas pelo galinheiro.

Armazenagem de bambu e materiais reutilizáveis.

Projetos em Eucalipto e tijolo de demolição

Projetos em Eucalipto e tijolo de demolição

Trabalhos em bambu

Trabalhos em bambu

Trabalhos em madeira reciclada

Trabalhos em madeira reciclada

Bioconstrução

Bioconstrução

Taipa de pilão

Cordwood